Imprimir

Ética e Ambiente
Paulo Marchiori Buss

   Em torno do Conceito de Ética

   São inúmeras as definições de ética. Na sua concepção mais genérica e tradicional, a ética trata "dos costumes ou dos atos humanos, e seu objeto é a moralidade, entendendo-se por moralidade a caracterização desses mesmos atos como bem ou mal" (Vázquez, 1986).

   Para Carneiro Leão (1992), "a ética representa um conjunto de decisões sobre os valores chamados a orientar e a guiar as relações individuais e, sobretudo, as relações sociais (...) frente a um leque de possibilidades e de fenômenos reais".

   O termo é usado normalmente em seu sentido próprio, isto e, como ciência dos costumes, abrangendo os diferentes campos da atividade humana, inclusive as relações do ser humano com o ambiente e a saúde.

   As doutrinas éticas surgem e sofrem transformações em diferentes épocas e estão relacionadas com a complexidade da sociedade. Nesse sentido, segundo a ética social, a origem última da moral estaria nas livres decisões pelas quais cada sociedade regulamenta arbitrariamente sua própria vida. A ética social conceitua-se, assim, como uma "história natural dos costumes": os critérios morais são relativos no tempo e no espaço, em todo caso traduzindo os diversos graus de consciência humana, e a regulação da conduta, em seus motivos e seus fins, é uma expressão da vida social traduzida em fórmulas que, de maneira aproximada, realizam a distinção socialmente útil do bem e do mal (Vázquez, 1986).

   Para os fins a que se destina o presente artigo, serão também úteis as acepções de ética política e ética econômica, bem como a de ética natural.

   No verbete correspondente à ética política do Dicionário de Ciências Sociais (Silva, 1986), registra-se que "o Estado, como comunidade que tem seus fundamentos nos fins existenciais do homem, faz parte da ordem ética e é um valor desse tipo. Nada caracteriza tanto a essência ética do Estado como sua função de realizar o mínimo ético de convivência humana" (Vázquez, 1986). Ao se discutir a ética do desenvolvimento e suas repercussões sobre a saúde e o ambiente, a ética política deve ser invocada no questionamento do papel regulador do Estado na relação entre crescimento econômico e desenvolvimento social, bem como no campo das relações internacionais.

   Como parte da ética social, a ética econômica (...) busca proteger as pessoas e os direitos de cada um e promover o desenvolvimento da produção, levando em conta os direitos de todos os interessados (Vázquez, 1986). A hegemonia do crescimento econômico a qualquer preço sobre o desenvolvimento social está na base da caracterização do modelo de desenvolvimento adotado contemporaneamente nos países do Terceiro Mundo em geral, incluindo a América Latina e o Brasil, e colocasse como uma das questões centrais no debate do tema ética e ambiente.

   Para a nossa discussão importam, ainda, as concepções desenvolvidas no interior de um novo campo da ética, a denominada bioética. Cunhada pelo oncologista V.R. Potter nos anos 70 (Potter, 1971 apud Schramm 1992), a bioética indica, desde então, o conjunto de reflexões éticas e morais relativas às conseqüências práticas da medicina e da biologia. Segundo Potter, o homem que rompeu os equilíbrios naturais perdeu também o "instinto" que assegurava a continuidade da vida sobre a Terra. A conseqüência principal desta perda seria a necessidade de desenvolver uma "ciência da sobrevivência", baseada numa concepção ampliada da biologia, isto é, uma bioética, cujos componentes principais sejam o conhecimento biológico e os valores humanos.

   Como uma espécie de "bioética generalizada", situa-se a ética natural ou ética egocêntrica, a ética do sujeito responsável pelo bem-estar do mundo natural, comprometido com a preservação das condições da estrutura à qual pertence enquanto ser vivo. Ela incluiria, em princípio, as várias dimensões reconhecidas que fariam parte de um novo contrato natural (Serres, 1990),ou seja, o conjunto dos direitos do indivíduo, dos direitos do "outro" e dos direitos da Terra. De fato, a problemática ecológica lato sensu tem adquirido modernamente pertinência como potencialmente aglutinadora de um debate transformador e enquanto uma nova maneira de se conceber as possibilidades de vida sobre a Terra. Se percebe a questão ecológica como uma preocupação com os direitos fundamentais do planeta Terra (Serres, 1990), ai incluída a preocupação com o Homem, trata-se fundamentalmente de vincular, de maneira significativa, individual e coletivamente, responsabilidades e liberdades. É neste contexto ético-ecológico que podem ser colocados os problemas do subdesenvolvimento, questão não só econômica ou política, mas transversal à "humanitude do Homem", atingindo sua identidade humana, psíquica e social. Portanto, "a questão ecológica pode ser considerada como um problema essencialmente ético" (Schramm, 1992), fundamentada na responsabilidade individual que cada ser humano tem (ou teria) consigo e com o "outro de si".

   Num amplo debate levado a cabo na Escola Nacional de Saúde Pública sobre ética, ambiente e saúde que, pela importância e abrangência, reproduzo abaixo nas suas principais conclusões, colocou-se a questão da "crise da ética", que requer, para alguns, a criação de uma "nova ética" (Carneiro Leão, 1992) e, para outros, "a recuperação da ética, trans-histórica e atemporal, ou seja, estrutural" (Schramm, 1992).

   A dimensão ética, para Schramm, "é a estruturação ontogenética do ser pelo outro, relação que obriga o sujeito a ser responsável por si, mas enquanto representante de todos os outros, fato que torna possível a moral e a política, as normas codificadas do ser social". A ética é, portanto, a possibilidade de estruturação do sujeito no mundo e não pode ser confundida com as suas manifestações práticas - a moral e a política - embora aquela não se dê senão encarnada nesta em cada momento histórico. Dito de outra maneira, embora inseparáveis praticamente, ética e moral são distinguíveis teoricamente, da mesma forma como discutimos a fundamentação e a finalidade das suas manifestações. A ética questiona também, em cada época, os fundamentos e as finalidades da moral e da política e pode, então, ser considerada como a teoria ou a critica do agir (Schramm, 1992).

   Numa outra perspectiva de análise, Carneiro Leão refere-se à crise da ética e a situa nos princípios de ordenamento e de organização das relações e comportamentos a que foi submetido o mundo industrial capitalista, através das possibilidades abertas pelo desenvolvimento da técnica e da ciência (Carneiro Leão, 1992). A nova ordem industrial, segundo o autor, vai sendo construída pelo homem, mas não se edifica para ele.

   É neste contexto que julgo importante discutir a questão ética e ambiente, pois na origem das complexas condições ambientais e sanitárias em que nos encontramos está o modelo de desenvolvimento capitalista contemporâneo, com a divisão internacional do trabalho e dos mercados, com a constituição dos blocos geopolítico-econômicos, com um trato específico em relação ao valor relativo do ambiente e da saúde, e com seu referencial ético (ou aético) de base no tocante à vida em sociedade.

   Desenvolvimento, Ambiente e Saúde

   No documento Nosso Futuro Comum (Our Comon Future, preparado pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento das Nações Unidas (CMMAD, 1987), fica estabelecido, pela primeira vez, um novo enfoque global da problemática ecológica, isto é, o das inter-relações entre as dimensões físicas, econômicas, políticas e sócio-culturais.

   Desde então, vêm se impondo, entre especialistas ou não, a compreensão sistêmica do ecossistema hipercomplexo em que vivemos e a necessidade de uma mudança nos comportamentos predatórios e irresponsáveis, individuais e coletivos, a fim de permitir um desenvolvimento sustentável, capaz de atender às necessidades do presente, sem comprometer a vida futura sobre a Terra (CMMAD,1987).

   No conjunto de relações entre meio ambiente e desenvolvimento, " relatório da Comissão Mundial destaca "os vínculos entre pobreza, de sigualdade e deterioração ambiental ( ), que chega a fazer da pobreza um dos maiores flagelos do mundo". Para a Comissão, limitar o problema ecológico as meras questões ambientais stricto sensu seria grave omissão, pois "o meio ambiente não existe como esfera desvinculada das ações ambientais e necessidades humanas" (CMMAD, 1987).

   Como afirma Schramm (1992), "ambiente, desenvolvimento e condições de saúde formam um único problema, multifatorial e complexo, cuja solução impõe-se como um dos principais desafios do futuro próximo e comum da espécie humana no seu conjunto".

    Assim, não se pode mais reduzir a crise ambiental a uma questão de manter limpo o ar que respiramos, a água que bebemos ou o solo que produz os alimentos que consumimos.

   O desenvolvimento, como processo de incorporação sistemática de conhecimentos, técnicas e recursos na construção do crescimento qualitativo e quantitativo das sociedades organizadas, tem sido reconhecido como ferramenta eficaz para a obtenção de uma vida melhor e mais duradoura (Banco Mundial, 1991). No entanto, este desenvolvimento pode conspirar contra o objetivo comum, quando se baseia em valores, premissas e processos que interferem negativamente nos ecossistemas e, em conseqüência, na saúde individual e coletiva.

   De fato, "muitas das atuais tendências de desenvolvimento resultem em um número cada vez maior de pessoas pobres e vulneráveis, além de causarem danos ao meio ambiente" (CMMAD, 1987).

   O exame do processo de desenvolvimento brasileiro nas últimas décadas é paradigmático, neste sentido, dadas as desastrosas conseqüências sobre as condições de vida, de saúde e sobre o ambiente (Leal et alli, 1992). A análise das suas características suscita de imediato um profundo questionamento a respeito do seu caráter ético, seja por suas conseqüências ambientais, seja pelos efeitos sobre a saúde da população.

   A renda per capita vem diminuindo e se distribui menos eqüitativamente em todo o Terceiro Mundo. Só na América Latina, por exemplo, estima-se que vivam mais de 180 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza (ops,1990). No brasil, seriam 45 milhões de pessoas em estado de pobreza (ganhando até 1 salário mínimo), distribuídas em 11 milhões de famílias. Destas famílias, 35% vivem em estado de miséria absoluta, percebendo rendimentos de 1/4 ou menos do salário mínimo per capita (Saboia, 1991). Em anos recentes, a já concentrada distribuição de renda concentrou-se ainda mais: segundo a PNAD/1989, os 10% mais ricos detinham 53.2% da renda no Brasil, enquanto os 50% mais pobres restringiam-se a não mais que 10.4% da riqueza nacional (IBGE, 1990).

   As conseqüências são por demais conhecidas, quanto às condições de vida e saúde. A taxa de mortalidade infantil no Brasil, para exemplificar, atinge 95 por mil em famílias com renda mensal abaixo de 1 salário mínimo, enquanto em famílias de renda mais elevada (acima de 5 salários mínimos mensais) é de 38.8 por mil (Oliveira e Simões, 1986). O mesmo fenômeno da concentração de renda, que hoje alcança sua expressão máxima nas sociedades urbanas, está também na base da explosão da violência social, da marginalização e da exclusão, que afeta principalmente os grandes conglomerados urbanos (Minayo, 1991), com conseqüências espantosas: os óbitos por causas externas, acidentes e violências em geral já são a terceira causa de morte para todas as idades e ambos os sexos no país, sendo a primeira na faixa etária entre 5 e 44 anos para ambos os sexos (Cenepi, 1992).

   A ausência de investimentos nacionais em saneamento básico, o aumento já referido da pobreza urbana e a suspensão ou limitação de programas de prevenção e controle favorecem o aumento das taxas de incidência de endemias e doenças que considerávamos sob controle. Tal e o caso da tuberculose, malária, dengue, febre amarela, enfermidades de transmissão sexual, dentre outras. Por outra parte, configurou-se o cenário adequado para o aparecimento de outras doenças que acreditávamos erradicadas do continente e do Pais, como o cólera (Rodriguez et alii, 1992).

   A desigualdade também teve bases territoriais. O modelo de acumulação, ligado à exploração irracional dos recursos naturais e alimentado pela concentração dos mercados, criou espaços desenvolvidos e subdesenvolvidos dentro de um mesmo território. Gerou também pobrezas urbanas e rurais de diferente natureza estrutural, condicionando as expectativas de várias gerações a suas relações sócio-econômico-espaciais com os centros dinâmicos de expansão ou espoliação (Sabroza e Leal, 1992).

   Em termos de condições de vida e saúde no nosso país, as marcadas diferenças regionais e, dentro das "regiões", entre classes sociais, são sobejamente conhecidas: o Nordeste reúne, simultaneamente, a maior concentração de renda, os maiores percentuais de famílias pobres e em miséria absoluta, as piores condições de saneamento, as menores taxas de utilização de serviços de saúde, os maiores indicas de analfabetismo e as mais elevadas taxas de mortalidade infantil e desnutrição, além de um padrão de morbi-mortalidade típico das sociedades mais atrasadas do mundo. Nas grandes metrópoles do Centro-Sul mais desenvolvido , este padrão se reproduz nas regiões periféricas, nos enormes conglomerados favelados e em muitas áreas rurais.

   Particularmente em relação ao ambiente o modelo ou estilo de desenvolvimento revelou grande capacidade de impacto. A modernização da agricultura, o processo acelerado de urbanização, a transformação sustentada dos recursos naturais e a dependência energética de fontes não renováveis representam componentes de um modelo tecnológico transnacionalizado e de uma tendência de homogeneização da economia mundial, com forte capacidade de agressão aos ecossistemas.

   Por seu lado, o mundo desenvolvido mostra um interesse fundamentalmente reparativo (2), de natureza tecnocrática, ao mesmo tempo em que tenta impor uma política de detenção no desenvolvimento ecoagressivo dos países subdesenvolvidos. Estes, por sua vez, reclamam seu direito ao desenvolvimento, sem questionar os custos globais de reprodução tardia do modelo em questão (Rodriguez et alIi, 1992).

   O extenso e pormenorizado documento preparado por técnicos brasileiros para a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CIMA, 1991) traça um quadro bastante sombrio da realidade ambiental brasileira, também ele atribuindo ao modelo de desenvolvimento adotado no país, nas últimas décadas, a causa da degradação do nosso meio ambiente.

   Nas produções agrícola e industrial e na atividade extrativista, a economia brasileira caracterizou-se, nas últimas décadas, pela priorização do mercado externo. Os incentivos à exportação, visando a gerar divisas para o pagamento da dívida externa, foram os responsáveis pela proliferação de culturas destinadas ao mercado internacional, como a soja, o café, a laranja e a cana-de-açúcar.

   O crescimento dessas culturas deixa um lastro de destruição, caracterizado pela perda da cobertura florestal, pela poluição por adubos químicos e pela erosão das terras agrícolas. É responsável também pela impressionante concentração na posse da terra e pelo subassalariamento do trabalhador do campo, que induzem à expulsão de amplos contingentes da população rural para os centros urbanos.

   A expansão industrial, por sua vez, obedeceu a padrões de concentração em áreas que hoje enfrentam, por isso mesmo, problemas ambientais de dimensões assustadoras. O complexo industrial de Cubatão, implantado em área de solo inadequado à dispersão de poluentes, o Pólo Petroquímico de Camaçari e o Programa Grande Carajás, que está contribuindo para acelerar o processo de desmatamento da Região Amazônica, são apenas três dentre os muitos exemplos que se poderia citar como resultantes da política ecoagressiva que tem representado o modelo de desenvolvimento adotado no país.

   A extensão da fronteira agrícola ao Norte e Centro-Oeste do país e o garimpo na Amazônia são duas atividades econômicas que trazem, com seu crescimento na última década, importantes conseqüências ambientais e sanitárias e, por conseguinte, problemas éticos de relevo quanto à saúde e ao ambiente.

   Só na década de 80, segundo o Ministério da Saúde (MS/SNVS, 1991), como dejetos da atividade garimpeiro, foram lançadas cerca de 51 toneladas anuais de mercúrio na rede fluvial da Região Amazônica, com sérias conseqüências sobre a flora e a fauna e, por extensão, sobre a saúde humana. Em muitas espécies de peixes foram detectadas taxar de mercúrio até cinco vezes superiores à concentração máxima aceitável. Diversos casos de intoxicação humana e anomalias congênitas vênsendo descritas na região e relacionados com as elevadas concentrações do metal no ambiente ou ao contacto ocupacional.

    O uso de agrotóxicos difundiu-se de maneira espantosa na agricultura brasileira nas duas últimas décadas. O esforço pela produtivida de agrícola e pela exportação levou a população geral do pais a uma exposição de 0.41 kg de agrotóxicos por pessoa, enquanto entre os trabalhadores rurais este indice chega a 2.21 kg (Henao, 1991). O baixo nível de instrução da maioria dos usuários (trabalhadores agrícolas) amplia o risco da contaminação ocupacional, enquanto já se detecta um nível também alto de contaminação dos alimentos que chegam à mesa dos consumidores.

   Outras condições de trabalho também apresentam fatores importantes de risco ambiental: os trabalhadores de saúde, pelo uso de produtos radiológicos e material biológico potencialmente infestante; os trabalhadores da indústria petrolifera e da indústria química, pelos riscos de contaminação pelos insumos ou pelo processo de trabalho; além dos trabalhadores da construção civil, recordistas de acidentes de trabalho no país. Estas categorias profissionais, entre tantas outras, constituem-se em vítimas de relações de trabalho que se encontram ainda num estágio bastante primitivo, que precisam ser aperfeiçoadas em nome da dignidade, da ética e, porque não dizer, também da própria produtividade econômica.

   Outras questões devem ser também referidas no contexto do debate sobre ética e ambiente, seja pelo seu impacto sanitário ou ambiental na vida contemporânea ou por vir, seja porque tem adquirido crescente importância social e política.

   É o caso, por exemplo, das novas tecnologias, molas mestras do crescimento econômico, que simultaneamente à desaceleração do corasumo perigosamente rápido dos recursos finitos, engendram sérios riscos, com novos tipos de poluição e ao surgimento, no planeta, de novas variedades de formas de vida que podem alterar o rumo da evolução (CMMAD, 1987). Este é um dos problemas mais sensíveis sobre os quais se vem debruçando este novo campo da ética, a bioética.

   A fome, flagelo histérico e social decorrente da manipulação econômica da produção e comercialização dos alimentos, é um dos maiores problemas éticos e sanitários do mundo contemporâneo, constituindo-se em presença cotidiana nos serviços de saúde (e nos lares) de todo o Terceiro Mundo. O desenvolvimento tecnológico alcançado pela humanidade e as terras aráveis existentes permitiriam a produção quantitativa e qualitativamente suficiente de alimentos para suprir adequadamente toda a população humana. As sucessivas epidemias de fome na África com milhares de vítimas fatais, principalmente crianças são apenas a face mais brutal deste problema que toma a forma de silenciosa endemia que atinge, sob a forma de desnutrição, mais de um quarto da população do planeta (Bittencourt et alli, 1992).

    Na base do problema da fome e suas conseqüências estão práticas econômicas eticamente condenáveis, ainda que "legais" e toleradas pelo establishment mundial, como a concorrência desleal, os protecionismos comerciais, a especulação com estoques etc. A elevada concentracão na posse da terra, o desestimulo aos pequenos agricultores, o incentivo à produção para a exportação em detrimento dos produtos componentes do padrão alimentar das populações locais e a profundamente desigual distribuição da renda são fatores estruturais que sustentam o problema em diversos lugares do mundo.

   É muito provável que, se tomada como prioridade política pelos movimentos sociais, como o foi a questão ambiental em tempo pretérito recente, receba também a questão da fome o tratamento de flagelo eticamente insuportável para a humanidade, por parte da comunidade internacional e dos governos nacionais, podendo encaminhar-se então para uma solução definitiva.

   A questão demográfica encerra uma das mais notáveis polêmicas no debate sobre o tema da poluição, da degradação ambiental e do futuro da espécie humana. Segundo diversos informes, a superpopulação mundial, de pobres, evidentemente, é a principal causa da poluição e da degradação ambiental em escala planetária.

   Como já descrevemos em texto sobre educação ambiental (Buss, 1992), "trata-se de argumentação ideologicamente agressiva, que ignora propositalmente o papel dos padrões de consumo na gênese da escassez e dos problemas ambientais as sociedades mais desenvolvidas têm sido efetivamente responsabilizadas pelo maior consumo energético per capita e pela mais expressiva poluição do planeta".

   No nosso país, vem-se observando uma queda marcante na fecundidade: de 6.16 filhos por mulher em idade fértil na década de 40, declinamos para 4.35 na década de 80, com perspectivas de atingirmos o milênio com cerca de 2 filhos por mulher, infelizmente através da mais agressiva medida de controle conhecida: a esterilização em massa de mulheres brasileiras (Giffin, 1992).

   O Censo de 1991 confirmou as tendências de que este declínio se observa em todas as classes sociais e em todas as regiões do pais. Assim, pelos seus elevados custos e pelos problemas éticos que envolve, não se justifica a manutenção de nenhum programa de controle da natalidade, senão o acesso a informações e métodos éticos de planejamento familiar, propiciados pelos serviços de saúde.

   Um outro problema ético de relevo são as conseqüências ambientais e econômicas (que se interligam) da corrida armamentista e da guerra. Em termos globais, os gastos militares totalizam mais de USS 1 trilhão anualmente, e não cessam de subir, consumindo em muitos países tão grande proporção do produto interno bruto que paralisam qualquer esforço de desenvolvimento ou implementação de políticas sociais. De outro lado, ainda que em processo desacelerado de produção, o acúmulo de armas nucleares já é suficiente para destruir muitas vezes o planeta, conduzindo ao fenômeno do inverno nuclear capaz de destruir ecossistemas vegetais e animais e deixar as espécies sobrevivestes, inclusive a humana, em um mundo devastado e quase inabitável. Por fim, sabemos que as mortes e as seqüelas físicas e mentais em conseqüência das guerras atingem milhares de pessoas em todos os quadrantes do planeta, representando hoje, em muitos países, um dos maiores, senão o maior problema de saúde prevalente.

   As relações internacionais constituem-se numa das questões centrais referidas ao desenvolvimento numa conjuntura em que, além do acentuado aumento da interdependência econômica entre as nações, temos agora sua crescente interdependência ecológica. Os países em desenvolvimento tem de atuar em um contexto em que se amplia o fosso entre a maioria das nações industrializavas e em desenvolvimento em matéria de recursos, em que o mundo industrializado impõe as regras que regem as principais organizações internacionais, e em que esse mundo industrializado já usou grande parte do capital ecológico do planeta. Assim, essa desigualdade nas relações interpaíses e inter-regiões do mundo e o maior problema "ambiental" da Terra (CMMAD, 1987).

   Devido à "crise da dívida" da América Latina, por exemplo, os recursos naturais dessa região estão sendo usados não para o desenvolvimento, mas para cumprir as obrigações financeiras contraídas com os credores estrangeiros. Esse enfoque do problema da divida e insensato sob vários aspectos: econômico, político e ambiental. Exige que países relativamente pobres aceitem o aumento da pobreza, ao mesmo tempo em que exportam quantidades cada vez maiores de recursos escassos (CMMAD, 1987).

   Ainda segundo a CMMAD, a agricultura, a silvicultura, a produção energética e a mineração geram pelo menos a metade do produto nacional bruto de muitos países em desenvolvimento, proporcionando empregos e meios de subsistência. A exportação de recursos naturais continua sendo um fator importante em suas economias, mas, devido as enormes pressões econômicas, tanto externas como internas, a maioria desses países explora excessivamente sua base de recursos naturais.

   Poderíamos estender-nos indefinidamente, descrevendo situações e casos ilustrativos das estreitas relações existentes entre desenvolvimento, ambiente e saúde, todas elas envolvendo aspectos éticos de grande relevância. Creio, entretanto, que o conjunto arrolado permite-nos concluir, como se vê, que não são crises isoladas: uma crise ambiental, uma crise do desenvolvimento, uma crise energética, uma crise ética. São, na verdade, uma só crise (CMMAD, 1987).

   Uma nova Ética para o Desenvolvimento

   Desenvolvimento sustentável e o conceito-chave de uma série de propostas que circulam entre organismos internacionais, governos nacionais e movimentos sociais, para fazer frente a esta "crise global" em que se vê envolvido o mundo neste final de século. Ele supõe os componentes de participação e eqüidade e também o de crescimento econômico. Tratar-se-ia, entretanto, no plano conceitual e ético, de um crescimento econômico direcionado ao atendimento das necessidades humanas em termos de qualidade de vida e que conserve e expanda a base de recursos ambientais (CMMAD, 1987).

   Tal crescimento é absolutamente necessário para mitigar a grande pobreza que se vem intensificando na maior parte do mundo em desenvolvimento. De fato, embora o crescimento econômico não deva ser confundido com o objetivo do desenvolvimento, sua realização é condição fundamental para atingi-lo.

   Como afirma a Comissão Mundial para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, a pobreza generalizada já não é inevitável. Mas, para haver um desenvolvimento sustentável, é preciso atender as necessidades básicas de todos (...), pois um mundo onde a pobreza é endêmica estará sempre sujeito a catástrofes ecológicas ou de outra natureza (CMMAD, 1 987).

   O documento da CMMAD insiste na necessidade do crescimento econômico, mas aponta veementemente para o princípio da eqüidade na distribuição dos recursos. E afirma que "tal eqüidade seria facilitada por sistemas políticos que assegurassem a participação efetiva dos cidadãos na tomada de decisões e por processos mais democráticos na tomada de decisões em âmbito internacional" (CMMAD, 1987).

   A adoção de estilos de vida compatíveis com os recursos ecológicos do planeta - quanto ao consumo de energia, principalmente nas sociedades desenvolvidas, por exemplo - , bem como mudanças na forma de exploração dos recursos naturais, na orientação dos investimentos, nos rumos do desenvolvimento tecnológico e nas relações internacionais, são posturas e compromissos indispensáveis a serem assumidos em escala planetária pelos organismos internacionais e governos nacionais e difundidos para o debate e adoção, no que couber, pela população.

   O marco ético para um desenvolvimento adequado está na necessidade de que ele ocorra como um processo participativo, eqüitativo e sustentável (CEPAL, 1991). Participativo porque deve assegurar o concurso de todos em sua construção; eqüitativo porque seus beneficias devem universalizar-se em função das necessidades; e sustentável por que, na sua realização, não deve comprometer a possibilidade de uma vida adequada para as futuras gerações sobre a Terra. Ou seja, um novo tipo de desenvolvimento capaz de manter o progresso humano não apenas em alguns lugares e por alguns anos, mas em todo o planeta e por muito tempo (CMMAD, 1987).

   O conceito de saúde, articulado com este modelo, precisa ser diferente do atual, contemplando outras dimensões da vida humana, inclusive suas interações com um ambiente protegido e não apenas dominado pelas relações econômicas.

   Uma nova ética passa pela valorização da informação, considerando o indivíduo não apenas como receptor, mas garantindo seu acesso ao conhecimento acumulado pela sociedade. Informação, é importante que se ressalte, dirigida para o desenvolvimento de estratégias de produção, e não para definir padrões de consumo.

   Uma nova ética pressupõe também um mundo integrado, mas que assegure o direito à diversidade em relação aos processos econômicos, culturais e ambientais.

   Uma nova ética implica em compromisso com a democracia, significando este conceito um novo modelo de relação entre os indivíduos e, destes, com o Estado, além de uma outra ordem internacional (Rodriguez, 1991).

   Para que a nova ética não seja apenas uma utopia, mas o fundamento para um novo modelo de desenvolvimento, é indispensável a superação do nível de miséria e da falta de instrução de grande parte da população, o que impede sua inserção efetiva no processo econômico e político e, portanto, o controle sobre suas condições concretas de existência, pressuposto da cidadania.

   Os ajustes inevitáveis na conjuntura atual, para as crises políticas, econômicas e ambientais, por sua vez, não podem resultar em um estreitamento das possibilidades de transformações estruturais, comprometendo o futuro, mas sim tem de considerar a necessidade e as possibilidades de fundação de uma nova ordem mais justa e equânime, baseada nos princípios da solidariedade entre nações, povos e grupos sociais.

   Não é suficiente, portanto, propiciar respostas tecnológicas ou modificar os modelos de crescimento econômico vigentes sem revisar simultaneamente os valores sobre os quais sustentará a nova ordem internacional necessária. Desenvolvimento com eqüidade, aproveitamento racional dos recursos naturais baseado em conceitos de sustentabilidade, solidariedade universal expressa em uma nova concepção de cooperação, transferência rápida de conhecimentos e processos de revalorização da vida em seu componente qualitativo parecem constituir requisitas e urgências do presente.

   Fundar uma nova ética do desenvolvimento, num contexto onde a questão ambiental seja uma causa planetária, exige uma nova postura das nações desenvolvidas para com as nações em desenvolvimento e, destas, um maior compromisso com a eqüidade social (Médici e Aguiar, 1992).

   De fato, a maioria dos documentos insiste na necessidade de se estabelecer uma cooperação internacional efetiva para lidar com a interdependência ecológica e econômica. Assim, uma mudança de orientação nos órgãos internacionais que tratam de empréstimos para o desenvolvimento, regulamentação do comércio, desenvolvimento agrícola etc. - que pouco consideram a importância dos efeitos de suas atividades sobre o meio ambiente - é fator essencial a ser logrado na consertação multilateral em torno da questão ambiental. A facilitação e, mesmo, o estímulo na transferência de tecnologias industriais limpas (ao invés da sucata industrial com que brindam o Terceiro Mundo as multinacionais) e de tecnologias adequadas para a proteção e a recuperação ambientais são acordos mínimos a serem celebrados na regulação das relações econômicas interpaíses, com a supervisão dos organismos internacionais. Caso contrário, estaremos trafegando na vã avenida da retórica que com grande freqüência preside os foros internacionais.

   Da mesma forma, o tratamento adequado para a divida externa dos países do Terceiro Mundo, que se transformaram na década de 80 em exportadores líquidos de capital, com as tremendas conseqüências humanas e ambientais já apontadas, será possivelmente a medida de maior impacto que se logrará no terreno ecológico, em nível planetário. A questão é saber a serviço de quem estão os organismos multilaterais e internacionais que tratam da questão da divida e qual o compromisso das lideranças do Primeiro Mundo com a proteção ambiental do planeta: retórica ou efetiva?

   Finalmente, uma referência à visão da ecosofia de Guattari (1990), "um eixo de valores ético-políticos que conjugariam a ecologia ambiental, a ecologia social e a ecologia mental". Segundo o autor, a questão ambiental e as lutas ecológicas não podem ficar circunscritas simplesmente à esfera da produção, à esfera do Estado, ou seja, à esfera do mercado e à esfera estrutural. As lutas ecológicas contemporâneas não podem permanecer reduzidas a um programa de ação democrático, de transformações sociais, na escala do Estado, das regiões, na escala política. Por não negar a importância dessas lutas, o autor considera indispensável, nesse nível, a renovação da expressão política e, portanto, das relações de forças políticas em grande escala. Entretanto, considera imprescindível a consideração dos outros níveis, microssociais, microinstitucionais, familiares e existenciais. Se não houver uma recomposição das práticas sociais no nível do urbanismo, da vida cotidiana, das Para o autor não há prioridade transcendente da relações interindividuais - o que ele chama de ecologia mental - e das relações dos indivíduos com o ambiente, pouco se poderá esperar em termos de avanços concretos na proteção e preservação ambiental.

   Para o autor não há prioridade transcendente da organização política sobre as outras formas de reapropriação da vida social e da subjetividade, ou seja, uma hierarquia entre as instâncias de representação do real. A luta democrática, a luta pela representatividade, a intervenção nas correlações de forças políticas e sociais precisam existir. Porém, em uma situação de horizontalidade democrática com as lutas pelo meio ambiente imediato, com as ONGs, com os artistas, com o movimento "ecosófico", com a renovação da pedagogia etc, num movimento de enriquecimento mútuo, mais do que numa relação de subordinação entre estes componentes.

   As implicações destas reflexões de Guattari conduzem à perspectiva de uma articulação dinâmica entre as lutas sociais e políticas no terreno ecológico e no campo democrático em geral, com uma profunda transformação na postura individual diante de si, dos outros e da natureza, o que poderá significar um radical e transformador reposicionamento ético diante da vida como um todo.

   Para muitos, o discurso do desenvolvimento sustentável é uma investida ideológica de empresas e governos, no sentido de preservar, ao mesmo tempo, os recursos naturais e as estruturas sócio-políticas. Cabe aos que acreditam na primazia da vida, na justiça social e na democracia encontrar formas de solidariedade que permitam resistir às pressões que pretendem congelar, pelo maior tempo possível, a velha ordem econômica, aética e ecoagressiva, mesmo que ao custo de guerras, destruição ambiental, doenças e morte.

   Bibliografia

. Bittencourt, S.A. et alii 1992. Nutrição, meio ambiente e desenvolvimento, in ref. Leal, M.C. et alii, vol. 2.

. Buss, P.M.1992. Educação ambiental e saúde. Rio de Janeiro, mimeo, 17pp.

. Banco Mundial 1991. Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial. Rio de Janeiro, Ed. FGV.

. Carneiro Leão, E.1992. A ética do desenvolvimento, in ref. Leal, M.C. et alii, vol 1.

. CENEPI/Centro Nacional de Epidemiologia 1992. Informe Epidemiológico do SUS 1(2). Brasília: Ministério da Saúde.

. CEPAUComissão Económica para América Latina e Caribe 1991. El desarrol-lo sustentable: transformación produtiva, equidad y medio ambiente. Santia-no de Chile, Doc. LC/G 1986.

. ClMA/Comissão Interministerial para a Preparação da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. 1991. Subsídios técnicos para a elaboração do Relatório Nacional do Brasil para a .CNUMAD. Brasília: IBAMA.

. CMMAD/Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento das Nações Unidas 1987. Nosso Futuro

. Comum. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getulio Vargas, 1991, 2a. ed.

. IBGE/PNAD 1990. Síntese de indicadores da pesquisa básica da PNAD de 1981-1989. Rio de Janeiro: IBGE
Giffin, K.M. 1992. A modernidade perversa e a reprodução humana no Brasil, in ref. Leal M.C. et alii, vol 2.

. Guattari,F. 1990. As Três Ecologias. São Paulo: Papirus.

. Henao, S. et alii 1991. Diagnóstico preliminar do uso de agrotoxicos no Brasil e seus impactos sobre a saúde humana e ambiental. Brasília: Ministério da Saúde, Reunião sobre Agrotóxicos, Saúde Humana e Ambiental no Brasil, mimeo.

. Leal, M.C.; Sabroza, P.C.; Rodriguez, R.H. e Buss, P.M. 1992. Saúde, ambiente e desenvolvimento. São Paulo/Rio de Janeiro: Hucitec/Abrasco, 2 vol.

. Médici, A.C. e Aguiar, M.A. de S. 1992. Desenvolvimento sem Ética. Políticas Governamentais Vlll(80): 3944, mai/jun.

. Minayo, M.C. de S. 1991. Desenvolvimento, violência e ecologia. Documento apresentado ao Encontro Nacional sobre Saúde e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Fiocruz, mimeo, 20 pp.

. MS/SNVS 1991. Projeto Ambiente. Brasília: Ministério da Saúde.

. Oliveira, L.A.P. e Simões, C.C.S.1986. A mortalidade infantil recente nas áreas urbanas: aspectos regionais e relações sócio-econômicas, in Perfil Estatístico de crianças e Mães no Brasil: aspectos sócio-econômicos da mortalidade infantil em áreas urbanas. Rio de Janeiro: IBGE.

. OPS/Organizacion Panamericana de la Salud 1990. Condiciones de salud en las Américas. Washington, D.C.: OPS.

. Potter, V.R. 1971. Bioethics, bridge to the future. Englewood Cliffs (NJ): Prentice-Hall.

. Rodriguez, R.H. 1991. La Ética del desarrollo. Texto apresentado na Reunião Preparatória da Pré-Conferência sobre Saúde e Ambiente/Rio-92. Rio de Ja-neiro: FIOCRUZ, mimeo.

. Rodriguez, R.H., Sabroza, P.C., Leal, M.C. e Buss, P.M. (1992). A ética do desenvolvimento e as relações com saúde e meio ambiente, in ref. Leal, M.C. et alii, vol. 1.

. Saboia, J. (1991). Emprego nos anos oitenta - uma década perdida. Rio de Janeiro: ENSPICLAVES, mimeo.

. Sabroza, P.C. e Leal, M.C. Saúde, ambiente e desenvolvimento-alguns conceitos fundamenteis (1992), in ref. Leal, M.C. et alli, vol 1.

. Serres, M. 1990. 0 contrato natural. São Paulo: Cia das Letras.

. Silva, B. (coord) (1986). Dicionário de Ciências Sociais; Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1986.

. Schramm, F.R. (1992). Ecologia, ética e saúde: o principio da responsabilidade, in ref. Leal, M.C. et alii, vol 1.
s
. Schramm, F.R. et alii. (1992). Ética e ecologia: algumas reflexões comuns, in ref. Leal, M.C. et alii, vol 1.

. Vázquez, J.M. (1986). Ética in ref. Silva, B. (coord).